2017 Photo Contest, Word Press

foto-do-ano
Foto: Burhan Ozbilici – premiada como a foto do ano.

Mevlüt Mert Altıntaş grita após ter atirado em Andrey Karlov, o embaixador russo na Turquia, em uma galeria de arte em Ankara, na Turquia.

Hoje dia 13 de fevereiro de 2017, a World Press Photo Foundation divulgou os ganhadores do concurso que premiou 45 fotografos de 25 paises: Austrália, Brasil, Canada, Chile, China, República Checa, Finlândia, França, Alemanha, Hungria, Índia, Iran, Itália, Paquistão, Filipinas, Romênia, Rússia, África do Sul, Espanha, Suíça, Síria, Nova Zelândia, Turquia, Reino Unido,e EUA. O evento que premiou os fotógrafos aconteceu em Amsterdã.

Nesta edição contaram com 80.408 imagens produzidas por 5.024 fotógrafos de 125 países.

Esse concurso elegeu com um júri de peso as melhores fotos de imprensa mundial em 8 categorias:
Questões contemporâneas
Vida cotidiana
Notícias Gerais
Projetos de Longo Prazo
Natureza
Pessoas
Esportes
Spot News

2017 Photo Contest jurados

  • Mary F. Calvert, USA, independent photojournalist
  • Luciano Candisani, Brazil, nature photojournalist
  • Claudi Carreras Guillén, Spain, independent curator, editor and photography researcher
  • Helen Gilks, UK, managing director Nature Picture Library
  • Yumi Goto, Japan, independent photography curator
  • Kelli Reed Grant, USA, photography director Yahoo News
  • Marco Grob, Switzerland, photographer
  • Tanya Habjouqa, Jordan, photographer NOOR and founding member Rawiya
  • Aïda Muluneh, Canada/Ethiopia, founder and director Addis Foto Fest
  • Andrei Polikanov, Russia, visual director Takie Dela online media
  • Kira Pollack, USA, director of photography and visual enterprise Time
  • Adam Pretty, Australia, photographer Getty Images
  • Pim Ras, the Netherlands, photographer AD Sportwereld
  • João Silva, Portugal/South Africa, staff photographer The New York Times
  • Wim van Sinderen, the Netherlands, senior curator The Hague Museum of Photography
  • Goran Tomasevic, Serbia, chief photographer East Africa Reuters
  • Susan White, USA, photography director Vanity Fair
  • Christian Ziegler, Germany, photographer
Presidente do Júri

  • Stuart Franklin, UK, photographer Magnum Photos

Nesse evento elegeram a foto de Burhan Ozbilici como a foto do ano.
https://www.worldpressphoto.org/collection/photo/2017/world-press-photo-year/burhan-ozbilici

E alguns brasileiros também foram premiados:

2º lugar em Questões contemporâneas: Lelo Almeida

do-brasileiro
foto: Lelo Almeida

3º Lugar Spot News: Felipe Dana

felipe-dana
Foto: Felipe Dana

Veja todas as categorias e ganhadores no:

https://www.worldpressphoto.org/

Galeria

Belfast…

Belfast,
Saimos na sexta-feira dia 24 de agosto, para alugar um carro, sair de Dublin e seguir para Belfast. A questão da mão invertida, a princípio “parece fácil, rs”… Mas dá um nó na cabeça… Imagine o seguinte: para atravessar a rua você tem que olhar para o lado contrário ao que você está acostumado a olhar no Brasil, parace simples… Vamos lá…redobrar atenção, i40 na estrada musica boa no ipod, Belfast, ai vamos nós…
No centro de Belfast, contratamos um guia, no bureau de turismo, o Sr “Willians” muito simpático nos levou por entre as ruas e becos de Belfast, nos contando muitas histórias e lendas,   E é claro, como bom nativo que é “Belfast é muito mais inportante que Dublin…” –  Ele dizia.
– “O nosso “Spare” (um poste de metal que vai se afunilando até o topo) é muito mais importante que o de Dublin”
– “Mas o de Dublin e mais alto”- eu disse.
– “bulshit” ele respondeu…….
Em Belfast ao contrário de Dublin é  mais fácil de identificar o “nativo”…  ao mesmo tempo que é mais moderna ela e mais autêntica… Tudo bem que, para todos os lados que se observa você encontra bandeiras da Inglaterra… “God save the Queen!”
Você até chega a se questionar se vocês está na Irlanda do Norte, não passamos pela imigração para entrarmos na Irland a do Norte, depois de muita história, lutas armadas, o IRA, os anos de fome, deixamos nosso guia nativo, e seguimos…
“Titanic museun”
Curioso, não sabia  que o Titanic havia sido construido aqui, visitamos o estaleiro lugar lindo e amplo, logo a frente construiram um belo e moderno museu… é possivel passar um bom tempo visitando o museu, tomando um café, descobrindo mais sobre o navio mais conhecido do mundo, pena termos o tempo tão curto… saimos no fim da tarde, e seguimos para nosso próximo objetivo
Encontrar o Holstel, jantar, descançar… Amanhã Giant Causeway…
Amanhece em Belfast. O descançar, nao foi compreendido, já que o quarto que haviamos reservado para 6 pessoas foi usado,  e o que sobrou era para 12, “para a nossa alegria” os outros 7 chegaram no quarto às 3:00 da manhã….
Acordamos cedo tomamos nosso English brekfast ( ovos, bacon, linguiça, feijao, torradas e um Chá preto) nossa, pesado o café da manhã, só fiquei na torrada com chá.
Saimos de Belfast rumo ao Giant Causeway “calçada do gigante”- reza a lenda que a muito tempo um gigante vivia ali, esse gigante tinha um grande amor do outro lado do mar, ele então construiu essa calcada para aproximar-se de seu grande amor… O curioso é que do outro lado nessa mesma direção existe a mesma formação rochosa, vários hexágonos um ao lado do outro, em apenas um trecho da praia de pedras, nos fazem pensar se isso realmente foi feito pela natureza é muito perfeito…
Carrick-a-rede Rope Bridge – é uma ponte a uns 5km da Giant Causeway, ela liga duas formações rochosas que são separadas pelo mar, a ponte está a 20 metros de altura do mar, venta muito e a travessia é feita a pé… Confesso que a travessia da medo…mas a emoção é única…
Em meio a penhascos, pontes, lendas e Clifs, entrego a vocês mais um ensaio….
Downtown belfast
Giant Causeway
Carrick-a-Rede Rope Bridge